Milton Tortella, São Paulo, 1970. 


Artista e design multimeios, arte educador, ativista pela Educação e Cultura, gestor do coletivo Ato Arte e diretor criativo independente. Vive e trabalha em São Paulo. 


Opera com materiais tradicionais da pintura, desenhos e objetos que organizam as pessoas. Sua pesquisa e práticas são voltadas para refletir sobre questões relacionadas à desigualdade social, impactos provocados pelo consumo, pela mídia, economia circular, meio ambiente e educação. O seu processo tensiona conceitos e complexifica a relação entre matéria e símbolos, apontando assim, estratégias de resistência e denúncia de mecanismos de manipulação de pessoas e abusos econômicos e de poder.

Expõe regularmente seus trabalhos, desde 1986. Já participou de 16 exposições coletivas e 8 individuais, além de criar cenários e cartazes para espetáculos culturais.

Sua carreira artística teve início em meados dos anos de 1980, com grafite, na Cidade de São Paulo, circulando por espaços culturais públicos e alternativos. Tortella teve também trabalhos premiados, editados e expostos, entre os quais, em especial estão: Prêmio Aquisição no XII Salão de Arte Contemporânea de São José do Rio Preto;II Prêmio Espaço Cultural Banco Central de Arte Melhor, na Categoria Pintura Moderna, dentre os participantes da Exposição Melhores de 2006, no Espaço Cultural Banco Central; e Menção Honrosa no Programa das Nações Unidas para o Controle Internacional de Drogas (PNUCD), na categoria Artista Plástico, exposto no Palácio do Governo de São Paulo, que pertence ao acervo da Unesco. E ainda teve destaque quando de sua participação em exposição, no MAC Ibirapuera, do II Prêmio Gunther de Pintura – São Paulo.

Entre os anos de 1995 e 2003, foi professor de Criatividade e Direção de Arte e co-fundador da Escola de Criação da ESPM, tendo, igualmente, lecionado no EAD Educare/ESPM e na Faculdade Impacta, no Curso de Pós-graduação em Marketing da UniFil (Londrina – PR), além de ter criado o Curso de Gestão de Embalagem da FGV – Fundação Getúlio Vargas. Fez também palestras e workshops ligados ao tema Criatividade e Processo de Criação em congressos, seminários, empresas e universidades em todo o território nacional.

 

Desde 2006 atua no movimento pela educação Waldorf no Brasil e em iniciativas de formação de co-gestores de iniciativas sociais ligadas a edução e cultura,
 

Como convidado, participou como jurado, de premiações de Artes Plásticas, do XI Salão da Marinha – Associação Paulista de Belas Artes (2008) e do Espaço Cultural Banco Central – Melhores de 2009. Realizou ainda o projeto museográfico da Exposição O Princípio, A Beleza, A Vida de Susy Magalhães, no Museu do Estado de Pernambuco em Recife – PE.

Em 2016 criou o Ato Arte coletivo.