Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Acrílica e tela

press to zoom
Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Acrílica e tela

press to zoom
Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Detalhe

press to zoom
Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Detalhe

press to zoom
Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Detalhe

press to zoom
Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Detalhe

press to zoom
Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Detalhe

press to zoom
Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Detalhe

press to zoom
Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Detalhe

press to zoom
Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Detalhe

press to zoom
Consumo de Massa, 2017
Consumo de Massa, 2017

Detalhe

press to zoom
1/1

Consumo de Massa (série “Essência”), 2017 

 

Acrílica e tela. 80 x 410  x 5 cm (aproximadamente)

 

Consumo de Massa reúne trinta e cinco pinturas em relevo. Faz parte de uma pesquisa sobre dispositivos de sobrevivência das grandes metrópoles e coloca em evidência o impacto provocado pelo consumo, pelo supérfluo, o descarte de resíduos no meio ambiente. Formas plástica de pirulitos e bombons com temas infantis, festas de épocas, personagens, bichinhos, eróticos, entre outros elementos pictóricos relacionados a sazonalidade do mercado de consumo. As formas são preenchidas de tinta e, depois da cura, as peças são desmoldadas assumindo a forma interna das mesmas (3d), tornando a pintura o seu próprio suporte. Ao longo de uma parede branca são montadas as trinta e cinco peças de 16 x 22 cm cada, montadas mede 80 x 410 x 5 cm aproximadamente. Instaladas há 100 cm do chão, formam três linhas horizontais sendo a de cima e a de baixo com onze trabalhos cada e a do meio com treze. As peças são estabelecidas livremente pelo artista e/ou curador dentro das três linhas propostas.

Nesta série, objetos são feitos a partir de tinta. A pintura é feita no interior de formas, embalagens plásticas e blisters descartadas, são aplicadas dezenas de demão de tinta, que depois de seca, são desmoldadas e a “pintura” é o que fica.